Nove questões que as mulheres têm vergonha de perguntar sobre sexo

Inicio > Comportamento, Destaque, Especial, Variedades > Nove questões que as mulheres têm vergonha de perguntar sobre sexo    
10/10/2016

Técnica em relacionamento e especialista em sexualidade, Cátia Damasceno, responde perguntas que muitas mulheres não têm coragem de fazer.

Sexo ainda é um assunto tabu. Fisioterapeuta com especialização em Uroginecologia, coach de relacionamento e criadora do programa Mulheres Bem Resolvidas, Cátia Damasceno explica que é justamente por isso que têm muitas perguntas que ficam sem respostas. “Mesmo as mulheres mais resolvidas acabam sentindo vergonha de perguntar algumas coisas”, destaca. Mas chegou a hora de acabar com isso.

Cátia responde 9 perguntas importantes:

1-Qual o método contraceptivo mais adequado: pílula, injeção, adesivo ou anel vaginal?

Cátia conta que este tipo de dúvida ainda é bastante comum. A resposta é que não existe uma melhor forma de evitar a gravidez. “Cada mulher se adapta aos tipos diferentes de métodos contraceptivos, e cada um deles têm vantagens e desvantagens”, explica. A injeção, por exemplo, tem a vantagem de durar por um período maior, mas pode provocar inchaço. Já o método de adesivo pode incomodar mulheres que pretendem ir à praia ou tomar um banho de piscina. “Já o anel vaginal pode aumentar o nível de secreção na região, mas geralmente é só no começo”, esclarece a especialista, que destaca ainda a importância de definir o método contraceptivo com ajuda do ginecologista.

2-Eu continuo protegida durante os dias de intervalo entre uma cartela e outra do anticoncepcional oral?

A especialista, que também recebe esse tipo de pergunta, confirma que os dias de intervalo entre as cartelas de anticoncepcional oral garantem a proteção da mulher contra a gravidez indesejada. “Mas é importante que ela tome a pílula todos os dias e no mesmo horário”, reforça. Caso contrário, Cátia sugere o uso de preservativo.

3-Quando devo começar a usar brinquedos eróticos?

“Não existe um momento definido para apimentar a relação com brinquedos”, explica a coach. No entanto, Cátia deixa claro que é importante esperar que o casal se conheça bem, com alguns meses de relacionamento, antes de começar a utilizar produtos de sex shop. “Não vale querer já utilizar próteses ou itens muito complexos. É melhor começar aos poucos, com um gel ou anel peniano, por exemplo”, explica. Assim, Cátia confirma que é importante que a mulher utilize a palavra-chave “juntos” sempre que for sugerir um produto. “E nada de transformar em rotina: uma vez por mês é uma ótima frequência para usar brinquedinhos”, completa.

4-Posso sentir orgasmos diferentes?

Sim. Cátia explica que existem diversos tipos de orgasmo. O mais comum é o clitoriano, sentido quando o clitóris é estimulado, enquanto o orgasmo vaginal é dado pelo estímulo por penetração. A especialista destaca ainda o orgasmo simultâneo, que é muito difícil por exigir que o parceiro sinta orgasmo ao mesmo tempo durante a relação, e os orgasmos múltiplos. “Primeiro, precisa acabar com esse mito de que o casal tem que sentir orgasmo juntos, pois o importante é ter orgasmo, independente da hora”, brinca. “Depois, é importante lembrar que os orgasmos múltiplos são menos comuns e podem ser mais fáceis de alcançar por mulheres que praticam o Pompoarismo”, completa.

5-Como posso me soltar na cama?

Segundo a coach de relacionamento, o grande motivo para as mulheres que se sentem inseguras durante o sexo está na preocupação excessiva com tudo o que está ao redor. “Repare que o homem está sempre presente para o sexo: o mundo pode acabar, que ele está lá, prestando atenção no momento”, destaca. O segredo é que a mulher se preocupe menos com celulite, gordurinhas e outras coisas e foque no momento a dois”, conta.

6-Ejaculação feminina é o mesmo que orgasmo?

Cátia conta que recebe muitas perguntas sobre a ejaculação feminina. A especialista destaca que se trata de um fenômeno raro, e bem diferente da sensação de orgasmo. “A ejaculação feminina ocorre somente em algumas mulheres que têm uma glândula produtora da lubrificação que só libera o líquido no momento do orgasmo”, explica. O grande mito que muita gente tem é achar que essa ejaculação permite um prazer maior à mulher “Isso não é verdade. Preocupe-se em ter o orgasmo, somente”, aconselha.

7-É normal não ter vontade de transar?

Segundo a especialista, algumas mulheres acreditam ser frígidas porque não sentem vontade de fazer sexo. Cátia explica que, apesar de existir um transtorno chamado pelos especialistas de “transtorno de excitação sexual feminino”, é preciso olhar com cuidado para tudo o que pode englobar a falta de desejo, de ter excitação, ou de alcançar o orgasmo. “Muitas vezes, pode ser um problema fisiológico de lubrificação, ou então problemas pessoais que geram estresse e impedem a mulher de sentir desejo”, explica. Caso isso não se enquadre, a especialista sugere procurar um profissional capaz de resolver este problema. “Geralmente um médico, um sexólogo ou um psicólogo podem ajudar nesta questão”, explica.

8-Como fazer a higiene íntima?

Cátia explica que existem cuidados importantes para manter a vagina limpa e, o que é mais importante, saudável. “Muitas mulheres se esquecem de limpar a região externa da vagina e podem ter até problemas de saúde por causa disso”, alerta a especialista. O ideal, segundo ela, é utilizar sabonete íntimo, que tem um pH adequado para a região, e passar os dedos de forma a limpar entre os grandes lábios e pequenos lábios, e puxar a pele do clitóris para deixar a região limpa. “Na hora de se enxugar, passe bem a toalha para impedir que ela fique úmida”, alerta a especialista. 

9-Meu marido se masturba: ele não me ama?

Por fim, Cátia tenta acabar com o ciúme ou insegurança das mulheres que descobrem que o parceiro se masturba. “Os homens lidam com o sexo de forma diferente e se estimulam muito mais pelo visual. Então não se preocupe caso ele goste de usar as próprias mãos de vez em quando”, sugere. A especialista conta que isso só se torna um problema patológico quando o homem deixa de cumprir compromissos para fazer isso.

Evento

Para sanar essas e outras dúvidas, a especialista realiza até o dia 13 de outubro o evento online e gratuito Semana da Mulher Bem Resolvida, que em sua última edição contou com a participação de mais de 200 mil mulheres. Este é o maior evento online voltado para as mulheres.

Para conferir os vídeos de debates variados, basta se inscrever pelo site  e aproveitar os conteúdos: www.semanadamulherbemresolvida.com.br.

O projeto foi criado por Cátia para oferecer transformações ainda maiores ao seu público. “Quero ajudar a desenvolver a vida das mulheres através do autoconhecimento, da sexualidade, sensualidade e autoestima, de forma que elas possam construir relacionamentos duradouros nas mais diversas áreas da vida”, detalha, reforçando o sonho de fazer com que mais mulheres possam viver a transformação que ela viveu, mas com menos obstáculos e mais rapidez.


Cátia Damasceno, especialista em sexualidade e coach de relacionamentos, e criadora do movimento de Mulheres Bem Resolvidas

4 Comentários para “Nove questões que as mulheres têm vergonha de perguntar sobre sexo”

  1. Laura disse:

    ótimas explicações! Principalmente sobre este assunto que é pouco divulgado! Se quiser saber um pouco também como conquistar uma relação saudável e madura acesse nosso blog: http://comoconquistarumhomemideal.com.br/

  2. Cátia Damasceno, show de bola esse seu artigo sobre questões sobre sexo que as mulheres tem vergonha de perguntar, gostei das respostas…visite também meu site onde eu ensino como adestrar um cachorro

  3. Renata Motta disse:

    Adoro a Cátia!! Acompanho ela a bastante tempo… demais!!

  4. Andreia disse:

    Que coisa mais magnífica as mulheres estarem redescobrindo os prazeres e benefícios do pompoarismo. Além do prazer intenso, ainda ajuda na saúde íntima de nós mulheres. Todo o autoconhecimento perdido nos anos em que as mulheres estavam na “senzala”, agora estão vindo à tona mais forte do que nunca. Parabéns!

Deixe um Comentário